Aécio critica 'visão míope' e diz que PT dificulta aliança em BH

O governador Aécio Neves(PSDB-MG) rejeitou nesta terça-feira uma aliança informal com oPT para a sucessão da prefeitura da capital mineira. Ele disseque o PSDB participará formalmente da coligação na chapaencabeçada pelo ex-secretário estadual Márcio Lacerda (PSB) eque o PT vem dificultando o acordo. Sem citar nomes, Aécio lançou críticas ao PT. "É algo muitograndioso o que queremos construir e não será abalado einterrompido por uma visão míope de algumas pessoas que estão acentenas de quilômetros de distância daqui de Belo Horizonte emilhares de milhas de distância da nossa realidade política",afirmou o governador a jornalistas no Palácio da Liberdade. Ele respondeu de forma indireta à nota divulgada nasegunda-feira pelo presidente do PT, deputado federal RicardoBerzoini (SP), afirmando que a direção do partido nãopermitiria nem uma aliança informal com o PSDB e o PPS em BeloHorizonte. A decisão da sigla, contrária a um acordo, foi tomada nasexta-feira sob o argumento de que PT e PSDB representamprojetos distintos para o país. De acordo com Aécio, essa possibilidade também não foicogitada pelo PSDB, que pretende integrar a aliançaindependentemente da participação do PT, partido do deputadoestadual Roberto Carvalho, indicado como vice de Lacerda. "Aqueles que tiverem a dimensão clara de que nós estamosconstruindo algo a favor de Belo Horizonte, participarão desseprocesso. Aqueles que acharem que devem priorizar outrosentendimentos, que o façam. As questões do PT são do PT e elasnão devem, a partir de agora, atrasar ou obstaculizar aquiloque está sendo construído em torno do secretário Márcio deLacerda", disse o governador a jornalistas. "Se o PT, ao final da suas decisões, achar por bemparticipar desse processo, é muito bem-vindo. Se não, caberá aele explicar à população de Belo Horizonte", completou, aoafirmar que seu partido vai participar do processo. Aécio é um dos principais articuladores da aliança, ao ladodo prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), e esperao apoio do chefe do executivo municipal à chapa. "Nada nostirará desse rumo e tenho absoluta convicção que estaremosdefendendo o mesmo projeto, o governador do Estado, o prefeitoFernando Pimentel e as forças políticas que acharem por bemdele participar", ressaltou. PT X PT O petista Roberto Carvalho afirmou que, apesar da decisãoda direção do PT, continua trabalhando como integrante da chapae acredita que, até 30 de junho, quando se encerra o prazofinal para o registro das coligações no Tribunal RegionalEleitoral (TRE), o grupo ligado a Pimentel conseguirá revertera posição do partido, já que a aliança conta com a simpatia dopresidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Vamos seguir a linha do presidente", afirmou Carvalho. Outro petista, que não quis ter seu nome divulgado, afirmouque é possível recorrer até à Justiça para realizar a coligaçãocom o PSDB. "Legalmente nós estamos garantidos e não há nada que aexecutiva ou o diretório nacional possam fazer", disse. "Masesse é um último recurso e queremos que o caso seja resolvidopor meio de negociação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.