Aécio critica 'intervencionismo exacerbado do governo'

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que o Brasil registra hoje um patamar baixo de investimentos porque os empresários "ficaram assustados com o intervencionismo exacerbado do governo." "O Brasil deixa de ser prioridade para investimentos internacionais. Eu recentemente participei de um grande evento internacional e é unânime a avaliação de que o Brasil não dá estímulos, segurança para os investimentos", destacou.

RICARDO LEOPOLDO E FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agência Estado

28 Outubro 2013 | 21h33

Segundo Aécio, "teremos no período Dilma um crescimento que será perto de um terço do que crescerão nossos vizinhos na América do Sul". "Não dá para mais para terceirizar responsabilidades. A tática sempre foi essa. É o mundo. Não. Foi a absoluta ausência de investimentos". "O que aconteceu? O Brasil veio apostando no crescimento exclusivamente via consumo, a partir da oferta de crédito farto nos últimos anos, e não se preocupou que isso teria um teto. Mais de 60% das famílias estão endividadas", destacou o senador tucano. "Então, o crescimento pelo consumo tem um limite".

Para o senador, "é hora de termos complementados o crescimento pelos investimentos que não estão vindo". "O governo do PT começa a fazer mal ao Brasil e coloca em risco aquilo que foi a herança bendita do presidente Fernando Henrique (Cardoso). É a própria credibilidade do Brasil que está em risco com a absurda contabilidade criativa", ressaltou.

Aécio Neves fez os comentários em entrevista coletiva concedida antes de participar do evento promovido pela revista Carta Capital, "As empresas mais admiradas do Brasil - 2013".

Mais conteúdo sobre:
AécioSPCarta Capital

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.