Aécio critica guerra fiscal e pede reforma

A decisão da empresa Itambé de investir R$ 20 milhões na abertura de uma fábrica em São Paulo levou o governador Aécio Neves a criticar a chamada guerra fiscal. A Itambé atribuiu em parte sua escolha ao regime especial tributário paulista para o leite. Aécio defendeu mobilização pela reforma tributária, fim da "perversa guerra fiscal" e pediu respeito às regras do Confaz. "Isso (guerra fiscal) não é bom para o País."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.