Aécio contraria tucanos de SP ao defender Zona Franca de Manaus

Para possível candidato à Presidência, polo é 'necessária para a região e é fundamental para o desenvolvimento do País'; posicionamento contraria setores produtivos de São Paulo

DÉBORA BERGAMASCO, Agência Estado

08 de novembro de 2013 | 21h13

Manaus - O possível candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), contrariou nesta sexta-feira, 8, interesses do setores produtivos do Estado de São Paulo, maior colégio eleitoral do País, e defendeu a prorrogação dos incentivos fiscais para a Zona Franca de Manaus por mais 50 anos, conforme projeto que tramita no Congresso Nacional.   "Existem setores econômicos em São Paulo que têm diferenças de pensamento em relação ao que significa a Zona Franca. Quero dizer, de forma clara e definitiva: a Zona Franca é um patrimônio do Brasil. É necessária para a região e é fundamental para o desenvolvimento do País", afirmou o senador mineiro nesta sexta, durante visita à fábrica da Honda, em Manaus, para deleite da plateia.

O governo federal também se posiciona favorável à renovação dos incentivos para a região, mas está sofrendo pressão de parlamentares do Sudeste. O grupo também quer a extensão do prazo da Lei da Informática mantendo, assim, por mais tempo, os incentivos fiscais na produção de itens eletrônicos em Estados como São Paulo.

Se politicamente os tucanos vão "empatar" com os petistas na defesa desta, que é uma das questões mais caras aos amazonenses, por outro lado, o novo discurso de Aécio ajuda a minimizar a rejeição do PSDB no Amazonas e a tentar livrar a legenda da pecha de defender apenas os interesses dos paulistas. Sempre que mencionado entre políticos locais, inclusive tucanos, o nome do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, provoca caretas. Isso porque ele defendeu, por muito tempo, a extinção dos privilégios oferecidos à região Norte, em uma briga fiscal para tornar São Paulo ainda mais competitivo industrialmente.

Para o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), "Alckmin sempre manteve um discurso provinciano focado no Estado dele. Quem pretende ser presidente do Brasil precisa adotar um discurso nacional, e é isso que o Aécio parece que está fazendo".

Além de defender a menor taxação, Aécio afirmou querer transformar o polo industrial do Amazonas em um centro exportador. Para o senador mineiro, trata-se, também, de uma forma de ajudar a preservar a floresta. "Não há nada mais antiambientalista que a pobreza".

TCU

Aécio também saiu em defesa do Tribunal de Contas da União e culpou a presidente Dilma Rousseff pela paralisação de obras no país. O tribunal recomendou nesta semana a paralisação de obras por suspeitas de corrupção.

"Não é por culpa do TCU que o Brasil se tornou um cemitério de obras inacabadas. É pela falta de planejamento e de capacidade de execução deste governo". Aécio citou a transposição do rio São Francisco, a ferrovia Transnordestina e uma refinaria em Pernambuco como exemplos de fracassos da gestão petista.

Tudo o que sabemos sobre:
aécioManaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.