Aécio começa segunda-feira giro pelo País em defesa das prévias

Após reagir a FHC e cobrar PSDB, mineiro vai ao Recife para intensa programação partidária

Christiane Samarco, O Estadao de S.Paulo

12 de março de 2009 | 00h00

Para forçar o PSDB a realizar prévias para a escolha do concorrente do partido à Presidência, o governador de Minas, Aécio Neves, montou uma agenda de candidato. Ele começa segunda-feira, no Recife, um giro pelo Brasil em busca de apoio dos tucanos para fazer a consulta e de votos para derrotar o governador de São Paulo, José Serra, na briga pela vaga de candidato à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Depois de afirmar que "não se constrói um projeto de País de alguns gabinetes ou da Avenida Paulista", o governador mineiro decidiu confrontar o movimento de setores do PSDB para descartar a consulta interna, apressando o início da campanha para ser escolhido.A pretexto de prestigiar o lançamento do livro Daquilo que eu sei - Tancredo e a transição democrática, do ex-deputado Fernando Lyra, Aécio montou uma agenda política de candidato na capital pernambucana. Vai almoçar com os 12 deputados estaduais e federais do partido em Pernambuco, terá um encontro com os 20 prefeitos tucanos, encerrará o dia inaugurando o auditório Ruth Cardoso no Instituto Teotônio Vilela e fechará a programação em jantar com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), levando a tiracolo o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB).Aécio resolveu se movimentar, e rápido, na tentativa de barrar a consolidação da pré-candidatura presidencial do governador paulista, que está bem à frente dele nas pesquisas de intenção de voto para 2010. Seus próprios aliados admitem que o pragmatismo do PSDB, calcado no desejo de voltar ao Planalto, está fortalecendo Serra e pondo abaixo eventuais preferências pessoais pelo mineiro, mesmo nas prévias. CORPO-A-CORPOEnquanto os serristas avaliam que o governador de Minas será ultrapassado pela candidata do PT e ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, na preferência popular, Aécio aposta no trabalho de corpo-a-corpo para superar o avanço do adversário paulista no PSDB. Mas também vai investir na criação de fatos políticos que o coloquem em evidência e tentará buscar apoios fora do partido. É com esse espírito que o governador de Minas almoçará hoje, em Belo Horizonte, com a bancada federal do PPS. O ponto alto da investida fora do PSDB, porém, está previsto para 6 de abril, quando Aécio será o anfitrião, em Montes Claros (MG), da primeira reunião do Conselho Deliberativo da Sudene em 2009, com a participação dos governadores do Nordeste.Preocupados com o favoritismo de Serra, os defensores da candidatura Aécio avaliam que só a movimentação do governador pode alterar o quadro e "abrir uma janela" à candidatura mineira.Um dirigente tucano afirma, no entanto, que 90% do partido torce pelo entendimento entre Serra e Aécio de forma que os dois se componham e evitem a disputa. No partido, considera-se que Aécio é um "nome excelente", mas sua candidatura tem de ser trabalhada. Bem diferente do tucano paulista, que, mais do que uma opção forte, já seria um candidato pronto, no entendimento da maioria do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.