Aécio cobra união do PSDB na eleição de 2010

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), cobrou ontem a união dos tucanos para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2010. Em entrevista em Zurique, na Suíça, ele disse que o PSDB não pode ?se aventurar? em candidaturas sem naturalidade e unidade, citando as derrotas de 2002 e 2006. Aécio foi à Suíça, com outros 11 governadores, incluindo o paulista José Serra - derrotado na eleição presidencial de 2002 -, para o anúncio do país-sede da Copa de 2014.À tarde, depois de muita insistência dos jornalistas, Serra comentou o assunto. Disse que o partido deve evitar divergências em 2010 e frisou que ele e Aécio estarão juntos. Mas ponderou: ?É muito cedo para falar de 2010.? Nesse momento, Aécio apareceu e, em tom de brincadeira, Serra perguntou: ?Você falou mal de mim?? O governador mineiro respondeu: ?De você eu só falo bem.?Na entrevista concedida horas antes, o tom de Aécio havia sido outro: ?O PSDB estará unido, até porque tem juízo?, disse. ?Já apanhamos tanto, perdemos duas eleições seguidas. O PSDB não pode entrar numa aventura.? E se explicou: ?Tivemos em determinados momentos candidaturas que não atingiram uma dose de naturalidade. Foram dois candidatos excepcionais e dos mais bem preparados do País, o Serra e o Geraldo, mas naquele momento não eram candidaturas naturais.? O ex-governador Geraldo Alckmin foi derrotado pelo presidente Lula na disputa de 2006.Aécio disse, ainda, que a novidade da próxima eleição presidencial será a ausência de Lula, ignorando as articulações de petistas sobre um terceiro mandato. ?O presidente termina seu mandato em 2010 e nós temos de nos preparar para disputar e com boas chances?, afirmou. ?Depois de 40 anos, pela primeira vez vamos ter uma eleição direta sem o Lula. Depois do Jânio, não tivemos nenhuma eleição direta sem o Lula.? A Executiva do PSDB já anunciou que fará eleições primárias para escolher seus candidatos à Presidência e aos governos estaduais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.