Aécio atacará o governo em propaganda do PSDB neste domingo

Na estreia do programa partidário na semana passada, FHC fez o mais duro ataque ao governo Dilma desde a campanha presidencial

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

23 de maio de 2015 | 17h11

BRASÍLIA - O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, será o protagonista, neste domingo, da nova propaganda do partido, apresentada em cadeia nacional de televisão. Dando seguimento aos ataques ao PT, iniciados pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, na semana passada, Aécio Neves, vai afirmar que o Partido dos Trabalhadores, em função dos seus erros, está empurrando para você, cidadão, a conta destes desacertos.


"Nos últimos 12 anos, você trabalhou, pagou seus impostos e correu atrás. Você acreditou e fez a sua parte. Mas o governo não fez a parte dele. E agora, sem avisar, aumenta a conta de luz, a gasolina, os impostos, os juros e corta seus direitos. O governo resolve que você tem que pagar por erros que não são seus e abrir mão daquilo que você conquistou. É isto que nós não aceitamos. É contra isso que nos lutamos", afirma Aécio, em 30 segundos de inserção, que irá ao ar entre às 19h30 e 22 horas. Aécio reitera ainda o slogan usado na primeira propaganda: "PSDB: Oposição a favor do Brasil".


Na terça-feira da semana passada, o PSDB estreou seu programa partidário, também em cadeia de TV, com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fazendo o mais duro ataque dos tucanos ao governo Dilma Rousseff, desde a campanha presidencial do ano passado. "Nunca antes na história desse País se errou tanto e se roubou tanto em nome de uma causa", disse Fernando Henrique, usando o lema tão destacado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em seus oito anos de governo. "Os enganos e desvios começaram no governo Lula", disse também FHC, que citou os casos de corrupção na Petrobrás, chamando-o de "Petrolão". Também atacou as propostas de ajuste fiscal, em particular a MP 665, que torna mais rigorosas a regra para obtenção do seguro-desemprego.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.