Aécio anuncia R$ 110 mi para estradas de Minas Gerais

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse na quinta-feira, 15, que a malha rodoviária estadual está sendo deteriorada em função das condições precárias das BRs que cortam o Estado. Ao anunciar, às vésperas do feriado de carnaval, investimentos emergenciais de R$ 110 milhões na recuperação de trechos "críticos" da malha estadual, Aécio reclamou que Minas é o Estado que mais sofre com a situação de "calamidade" nas rodovias federais. A queixa do governador é que o tráfego, "sobretudo o mais pesado", está se desviando "das estradas federais, muitas delas intransitáveis, para as rodovias estaduais". Com isso, muitas obras do Proacesso - programa estadual de ligação asfáltica entre pequenos municípios - estão, segundo ele, sobrecarregadas, pois não estavam preparadas para o fluxo. Para ele, passou da hora de o governo federal enfrentar o problema de frente. "Além da ineficiência, além da perda de vidas, além das perdas da economia com o tráfego em estado de calamidade nas rodovias federais, estamos pagando um preço alto, tendo que fazer novas intervenções em razão do desvio do tráfego." Críticas tucanas O Estado tem 23,7 mil quilômetros de pistas - 2,6 mil quilômetros federais delegadas e 9 mil quilômetros sem pavimentação. O Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) contabiliza sob sua responsabilidade cerca 10 mil quilômetros. O tucano voltou a criticar a centralização na União dos recursos arrecadados pela Cide - o imposto dos combustíveis. O aumento da fatia repassada aos Estados e municípios dos atuais 29% para 46% do total arrecadado foi uma das reivindicações listadas pelos governadores logo após o anúncio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Uma bandeira antiga de Aécio é a estadualização das rodovias federais, com o repasse integral dos recursos da Cide aos governos estaduais, para a manutenção e outros investimentos. "Não há outro caminho. Estamos vivendo de forma absolutamente clara a centralização. Por mais boa vontade que haja, mesmo havendo recursos, a morosidade é enorme e a população está perdendo vidas." Mais uma vez, o governador mineiro criticou a operação tapa-buracos, realizada pelo governo federal em 2006, que em sua opinião foi puro desperdício de dinheiro. "Perdemos ali cerca de R$ 600 milhões, com denúncias de toda ordem, em razão até de superfaturamento." Dinheiro de Minas Gerais Os R$ 110 milhões anunciados na quinta-feira sairão totalmente do Orçamento mineiro. "Não há nisso nenhum recurso federal", avisou. As obras começam na próxima semana e o governador garantiu que até junho todos os trechos estarão concluídos. "Essa operação vem com planejamento", disse. "Não é algo improvisado, feito de última hora." O Estado pôs um telefone gratuito (0800-285 1517) à disposição de quem quiser comunicar ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER) a situação das estradas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.