Aécio ameniza críticas e anuncia vice no próximo dia 30

O pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, deixou as críticas ao governo federal em segundo plano e afirmou que, agora, "é hora de os brasileiros se unirem para torcer pela nossa Seleção". O senador assistiu à partida entre Brasil e México ao lado de ex-jogadores do Cruzeiro, como Wilson Piazza, Nelinho e Joãozinho, além do ídolo do vôlei Giovani Gávio, pré-candidato a deputado estadual. "Estamos torcendo pelo País, hoje, no futebol e, depois, nas eleições", disse Aécio.

ALEX CAPELLA, Agência Estado

17 Junho 2014 | 18h46

O tucano confirmou para o próximo dia 30, às 10 horas, o anúncio do nome que irá disputar a vice-Presidência ao seu lado, pelo PSDB. "Vamos aproveitar a reunião da executiva nacional do partido para indicar o nome e vamos usar todo o tempo que temos, até lá", afirmou o senador. "Na verdade, é uma decisão difícil pelo grande número de pessoas qualificadas que se dispuseram a nos ajudar nessa proposta por um novo país".

Alheio às manifestações, ele lembrou que, se dentro de campo, a Copa do Mundo vem sendo um sucesso, o mesmo não se pode dizer sobre as obras de mobilidade prometidas para o torneio.

"Há uma incapacidade do governo, neste ponto, mas não vou cair na armadilha de dividir o Brasil em duas partes. No dia seguinte ao final da Copa do Mundo, ficarão as obras infraestruturais paralisadas e o fantasma da volta da inflação", avaliou o tucano. "Por isso, vamos continuar apontando os equívocos deste governo, mas através de um debate que olha para o futuro e não enxerga o país pelo retrovisor".

Perguntado sobre a afirmação do ex-presidente Lula, que disse que oposição "destila ódio" nas suas críticas, Aécio foi enfático: "Não vou entrar em um confronto. Tenho uma proposta alternativa à que aí está e quero que o Brasil avance mais rápido, acabando com a desconfiança que se abateu sobre nossa economia".

Sobre a sucessão estadual, o senador enfatizou que a pré-candidatura de Pimenta da Veiga representa a continuidade de um projeto vitorioso. "Minas Gerais é, hoje, referência de gestão pública de qualidade e queremos dar sequência nisso também", declarou Aécio. "Ao contrário do plano federal, cujos indicadores só vêm regredindo, não podemos deixar uma experiência de sucesso sem continuidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.