Aécio ameaça comissão mista de segurança

Um ofício do presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), ao presidente do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), ameaça implodir todo o trabalho da Comissão Mista de Segurança do Congresso. Aécio informa a Tebet que não há amparo regimental para que as propostas elaboradas pela comissão tenham "uma tramitação autônoma e independente", o que significaria que o relatório seguiria diretamente para o plenário sem passar pelas demais comissões, como se pretendia anteriormente.O documento chegou na comissão no inicio da reunião em que votaria o relatório final do deputado Moroni Torgan (PFL-CE). No trabalho, ele está propondo 17 projetos e três emendas constitucionais na área de segurança pública para diminuir a violência no País. A comissão foi criada justamente para, no prazo de 60 dias, propor medidas destinadas a reduzir rapidamente a violência no País. Entretanto, Aécio, que antes concordara com essa sistemática, mudou de opinião.No ofício, ele afirma agora que, em virtude de disposições regimentais, as proposições aprovadas pela Comissão de Segurança devem ser consideradas "subsídios" para a discussão de propostas na área de segurança pública.As propostas da comissão incluem alterações na legislação sobre o combate ao crime organizado, lavagem de dinheiro, uso e tráfico de drogas e no processo penal, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.