Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Aécio afirma que houve ilegalidades no processo da PGR

'Qualquer investigação vai mostrar que isso foi uma construção envolvendo Joesley e membros do Ministério Público', afirmou

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2018 | 19h21

BRASÍLIA - Na véspera do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) voltou a procurar a imprensa para tentar se defender da denúncia contra ele. Em conversa com jornalistas na segunda-feira, 16, Aécio questionou "ilegalidades" no processo, disse que a Procuradoria-Geral da República (PGR) "falseou" informações e que "acredita na dimensão" dos ministros do STF, que podem torná-lo réu amanhã. "Decisão do STF se cumpre", disse.

+ Raquel volta a pedir que STF aceite denúncia contra Aécio

Com a expectativa de que a Primeira Turma do STF vai aceitar a denúncia na terça-feira, 17, Aécio declarou que "ninguém transformado em réu é considerado culpado a priori". "Principalmente com as fragilidades dessas acusações, seja em relação à obstrução de Justiça ou em relação a esse empréstimo que não envolveu dinheiro público. Qualquer investigação vai mostrar que isso foi uma construção envolvendo Joesley e membros do Ministério Público", reforçou.

Ele reclamou que não teria havido investigação no processo e também criticou a celeridade da elaboração da denúncia pela PGR, o que teria "impedido que conferências sobre os fatos fossem feitas". "O lamentável é que a ânsia de punir impediu aquilo que é normal, o inquérito. Se tivesse havido investigações, minhas alegações teriam sido comprovadas." Ele disse ainda que "se a Justiça falta hoje a um, amanhã faltará a outros".

+ 'Difícil de engolir essa', diz Janot sobre parecer que tirou Alckmin da Lava Jato

O senador justificou a coletiva de imprensa, convocada na véspera do julgamento por sua equipe, como uma forma de se contrapor com suas "armas" ao "tsunami" de informações que o atingiram. "Ninguém foi lesado, a não ser eu e minha família."

Aécio afirmou ainda que suas tratativas com Joesley Batista, dono da JBS, sobre um empréstimo de R$ 2 milhões ocorreram entre pessoas "privadas" e que não envolveram dinheiro público. "Qual empresa pública foi prejudicada (por conversas com Joesley)?", questionou Aécio.

O parlamentar disse que Joesley Batista, ao gravá-lo, tinha uma "encomenda clara" e recebeu benefícios por ela (com o acordo de delação premiada). Também disse que, em trecho de outra conversa, os irmãos Batista afirmaram anteriormente que o senador nunca "fez nada" por eles.

+ Gleisi cita caso Alckmin e diz que Justiça protege o PSDB

Assim como já havia afirmado em artigo publicado na Folha de S. Paulo, hoje, Aécio disse que cometeu um erro, mas não cometeu qualquer irregularidade. "Não serão 20 minutos de uma conversa infeliz que vão definir minha história", declarou na coletiva de imprensa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.