Aécio afaga militares em visita ao Rio Grande do Sul

Aécio afaga militares em visita ao Rio Grande do Sul

Tucano afirma que Forças Armadas estão sucateadas e promete plano de investimento e profissionalização de médio e longo prazo

ELDER OGLIARI, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 16h26

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse que prevê um "grande resultado" para sua candidatura e citou as características de Santa Maria, um centro universitário e militar, para falar de suas propostas. "Será um resultado que permitirá um governo de respeito à ordem, às regras do mercado e à segurança jurídica e quero dizer, em Santa Maria, de forma especial, às Forças Armadas, hoje sucateadas, que precisam ter plano de investimento e de profissionalização de médio e longo prazo", disse, em rápida entrevista ao desembarcar no aeroporto de Santa Maria. 

Aécio voltou a falar sobre a situação econômica do País e disse que sua candidatura é a única que tem condições de gerar expectativa positiva dos investidores. "Temos que agir hoje pensando no futuro", falou, em rápida entrevista coletiva. "Ou encerramos um ciclo perverso de crescimento baixo e inflação alta para que o Brasil volte a gerar confiança nos investidores e o Estado se organize para fazer os investimentos necessários em infraestrutura, ou vamos estar lamentando daqui a quatro anos mais um equívoco".

Questionado pelos repórteres, Aécio voltou a dizer que o fator previdenciário será substituído por um mecanismo que não puna os aposentados. Mas não especificou como será essa mudança. O candidato prometeu um "diálogo franco com a classe trabalhadora" e admitiu que existem propostas tramitando no Congresso, inclusive a do petista Pepe Vargas, que calcula o benefício juntando idade e tempo de serviço, que podem ser um caminho.

"Nosso compromisso é garantir o reajuste real do salário mínimo, o reajuste da tabela do Imposto de Renda pela inflação e corrigir ao longo do tempo a defasagem que aí está e negociar um novo instrumento que não puna como vem punindo os aposentados o fator previdenciário", reiterou Aécio.

O candidato tucano também acusou a bancada governista no Congresso Federal de evitar a votação de propostas favoráveis aos Estados e municípios, como a mudança das alíquotas de atualização das dívidas com a União. Defendeu, ainda, que o governo federal, não faça desonerações também na parte da arrecadação que não é sua, mas pertence a Estados e municípios.

Acompanhado da também senadora Ana Amélia Lemos (PP), líder nas pesquisas de intenção de voto para o governo do Rio Grande do Sul, e do deputado federal Nelson Marchezan Júnior (PSDB), que tem base eleitoral na região, Aécio percorreu os 200 metros do calçadão Salvador Isaías, no centro da cidade, escoltado por cerca de 150 militantes.

No trajeto, percorrido em menos de meia hora, cumprimentou funcionários de lojas, tirou fotografias com alguns deles, distribuiu abraços e acenou para quem olhava de janelas, enquanto os acompanhantes gritavam seu nome ou o de Ana Amelia, além do coro "fora, PT".

Quando chegaram à praça Saldanha Marinho, Aécio e seus simpatizantes passaram por portadores de bandeiras de todos os partidos que ficam no local fazendo propaganda política. Uma parte dos militantes voltou a gritar "fora, PT", mas os poucos adversários que estavam no local evitaram a provocação e permaneceram quietos, segurando suas bandeiras e olhando a passagem dos tucanos e aliados.

Ao final da caminhada, Aécio subiu em uma caminhão de som e, em discurso de menos de um minuto, afirmou que "chegou a hora da virada". 

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesaécio nevesSanta maria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.