Aécio: 2015 será mais difícil sem nossa eleição

Diante dos ajustes esperados para a economia em 2015, o candidato Aécio Neves, que concorre à Presidência da República pelo PSDB, afirmou nesta terça-feira que o próximo ano será complicado, mas pode ser pior dependendo do resultado das eleições. "O ano de 2015 será muito difícil, mas será mais difícil sem nossa eleição", afirmou em entrevista coletiva no Mercadão de Madureira, tradicional centro de comércio popular na zona norte do Rio. Ele voltou a dizer que é o único a ter um projeto de governo sólido. "Não quero cidadão frustrado de novo por ter feito uma escolha errada."

IDIANA TOMAZELLI, Estadão Conteúdo

30 de setembro de 2014 | 13h30

Questionado sobre a apresentação de seu programa de governo, Aécio disse que o modelo adotado pelo PSDB de divulgação em cinco partes por meio da internet é "moderno". "Ninguém tem um programa mais bem acabado, elaborado e discutido com a sociedade", afirmou o candidato. Na semana passada, Aécio havia anunciado que divulgaria seu programa completo ontem, segunda-feira. No entanto, ele voltou atrás e acabou decidindo por uma divulgação fatiada por temas, em discussões no Facebook. "Ninguém lê calhamaço", justificou.

O tucano aproveitou para criticar o "intervencionismo" do governo da adversária Dilma Rousseff (PT), citando termos como credibilidade, transparência e confiabilidade. "O intervencionismo é a marca principal do atual governo", disse Aécio, ao citar o setor elétrico como um dos maiores exemplos. "Nosso governo será de previsibilidade, política fiscal transparente. Nossa intenção é fazer voltar os investimentos a taxas de 23% a 24% (do Produto Interno Bruto, o PIB), que é o que dá pra fazer em quatro anos", afirmou. Ele ainda disse que o atual governo deixa como legado "um mar de obras inacabadas e com sobrepreço".

Em relação à Marina Silva, Aécio afirmou que a candidata pessebista "não atingiu governabilidade", enquanto o PSDB tem quadros "qualificados", em uma referência a declarações de Marina, de que gostaria de "governar com os melhores", independentemente de partido. "Ela fica buscando tentando enxergar no terreno do vizinho o fruto mais vistoso para compor seu pomar", disse.

Após uma chegada tumultuada, o candidato concedeu a entrevista em um espaço reservado da Rádio do Mercadão, ao lado de Francisco Dornelles (PP), candidato a vice-governador na chapa de Luiz Fernando Pezão, que tenta a reeleição, e também acompanhado por Índio da Costa, candidato a deputado federal pelo PSD.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesAécioRJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.