AEB sugere acabar com programa espacial se não houver recursos

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Luiz Bevilacqua, sugeriu nesta quarta-feira encerrar o Programa Espacial Brasileiro, caso recursos suficientes para o setor não sejam efetivamente transferidos. "Sabemos que existem outras prioridades. Nossa missão é servir ao País, mas não há como fazer isso de forma adequada sem verbas", afirmou, ao fim de uma reunião do Conselho Superior da AEB.Em janeiro, foi prometido um aporte de recursos no valor de R$ 106 milhões. Só ontem parte da verba chegou efetivamente aos cofres da AEB. "A avaliação sobre os recursos não é minha, mas de todo o conselho", disse. O apelo para a constância do envio de recursos, afirmou, será transmitido ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 15, em reunião do Conselho de Ciência e Tecnologia. "Há um grande empenho da Casa Civil para que recursos cheguem de maneira constante." Bevilacqua argumenta que, sem as verbas, fica impossível contar com a participação da indústria brasileira no Programa Espacial. "Não basta recurso para um ano, apenas."Nesta quarta, integrantes do conselho discutiram as medidas necessárias para revitalizar o programa. Decidiram iniciar imediatamente uma revisão total dos projetos em andamento. A comissão também definiu a criação de um grupo para refazer as normas de segurança e de procedimento dos projetos. Apontou, ainda, a necessidade de adotar um plano de carreira e iniciar um programa de capacitação de todo o corpo técnico. Uma necessidade urgente, afirmou Bevilacqua, é aprovar uma gratificação de 80% para o corpo técnico. "Nada disso se faz sem dinheiro, daí o nosso apelo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.