Advogados tentam revogar prisão de líderes do MST

Advogados do MST entram nesta quarta-feira com pedidos de habeas corpus em tribunais de São Paulo na tentativa de revogar os mandados de prisão preventiva dos cinco principais líderes do movimento no Pontal do Paranapanema, entre eles José Rainha Júnior. Eles são acusados de formação de quadrilha. Todos estão foragidos.Além de José Rainha, estão com prisão decretada os líderes Sérgio Pantaleão, Márcio Barreto, Valmir Rodrigues Chaves e Zelitro Luz da Silva. Os mandados, assinados pelo juiz de Teodoro Sampaio, Atis de Araujo Oliveira, foram repassados aos órgãos das polícias civil e militar, inclusive os postos de policiamento rodoviário.O comandante da PM em Teodoro, capitão Francisco Batista Leopoldo Júnior, acredita que os procurados já deixaram o Pontal. "Nossos policiais moram na área e conhecem bem a região. Se eles estivessem por aqui, já teriam sido presos."A polícia também procura os militantes Ismael Vidal e José Lauro dos Santos, acusados com outros seis integrantes do MST, já presos, de formação de quadrilha, furtos e danos. Os advogados vão tentar libertar os presos Edenilton Henrique Batista, Edison Lourenço de Souza, José Guilherme dos Santos, Rosalina Rodrigues de Oliveira Acorsi, Alcides Gonçalves e Américo Moreira de Azevedo.GuerrilhaO integrante do MST Carlos Rogério dos Reis, de 22 anos, suspeito de ser instrutor de guerrilhas, preso desde sábado na cadeia de Teodoro Sampaio, foi colocado à disposição dos órgãos da Secretaria da Administração Penitenciária, já que ele tem pena de dois anos e meio de reclusão para cumprir em regime fechado. Reis foi condenado por tentativa de assalto a mão armada pela justiça de Rosana, cidade do Pontal, e estava foragido há um ano e meio. A sentença é definitiva.Segundo o delegado Donato Farias,, ele estava assentado na Gleba 15 de Novembro. O material apreendido com o militante, apostilas e manuscritos que ensinam táticas de guerrilha, foi encaminhado para perícia. A polícia tenta descobrir o local onde funcionaria um possível centro de treinamento de guerrilheiros. "Estamos investigando todas as pistas", disse o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.