Advogados pedem ao STJ prisão domiciliar para Arruda

Ministro Fernando Gonçalves, relator do caso no tribunal, deve decidir sobre pedido nesta quinta

AE, Agencia Estado

17 de março de 2010 | 21h45

Os advogados do governador cassado e preso do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), entraram nesta quarta-feira, 17, no Superior Tribunal de Justiça (STJ) com um pedido de concessão de prisão domiciliar. Apenas na quinta-feira, após ouvir o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), o ministro Fernando Gonçalves, relator do inquérito 650, que investiga o esquema de corrupção no governo do Distrito Federal, definirá o destino do governador, cujo mandato foi cassado ontem pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).  

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMP pede ao TJ a suspeição de 16 deputados no DF

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Arruda avalia não recorrer de cassação do mandato

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifEleição indireta no DF é aprovada em 1º turno

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifBarbosa deve depor ainda este mês na CPI no DF

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

Na terça-feira, os advogados entraram com um pedido de revogação da prisão, sob o argumento de que, agora cassado, Arruda não teria como corromper testemunhas ou obstruir as investigações, o motivo usado pelo STJ para determinar a prisão do governador. Nesta quarta, acrescentaram um adendo ao recurso, pedindo que Gonçalves concedesse prisão domiciliar ao cliente, que estaria com uma artéria coronariana obstruída e deve se submeter a um cateterismo.

Tudo o que sabemos sobre:
ArrudaSTJprisão domiciliar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.