Advogados nos EUA analisam alegações de 'informante confidencial' sobre Pasadena

A Petrobras informou nesta quinta-feira, 2, que a companhia e seus advogados norte-americanos estão analisando as alegações apresentadas pelo autor líder da ação coletiva (class action) movida perante a Corte Federal de Nova York de que a estatal teria recusado em 2004 uma proposta para comprar da refinaria de Pasadena, no Texas, por um valor entre US$ 30 milhões e US$ 40 milhões. A empresa brasileira acabou pagando US$ 360 milhões por 50% da empresa em 2006. "A companhia irá se defender em relação a esta ação", diz a Petrobras.

EULINA OLIVEIRA E ALTAMIRO SILVA JUNIOR, CORRESPONDENTE, Estadão Conteúdo

02 Abril 2015 | 22h05

O documento de 189 páginas apresentado na ação coletiva cita um "informante confidencial" que relatou aos advogados nos Estados Unidos a proposta de venda. "Um informante confidencial testemunhou diretamente o esquema em Pasadena", relata o texto da ação coletiva, que pede indenização de prejuízos causados aos investidores pelas denúncias de corrupção na empresa brasileira.

A firma de advocacia de Nova York Pomerantz entregou esta semana na Corte a ação coletiva consolidada da Petrobras, que além da petroleira incluiu como réus os ex-presidentes da empresa Graça Foster e José Sergio Gabrielli, além de outros 11 executivos, 15 bancos que coordenaram emissões de papéis da empresa, a firma de auditoria PricewaterhouseCoopers e duas subsidiárias da companhia brasileira no exterior.

Mais conteúdo sobre:
PetrobrasPasadenaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.