Advogados dizem que empresário quer depor

A CPI do roubo de cargas recebeu hoje, pela manhã, documentação dos advogados do empresário Ari Natalino da Silva, explicando sua ausência nos depoimentos e afirmando que ele está disposto a depor na CPI. O empresário controla o Grupo Petroforte, a terceira maior distribuidora de combustíveis para postos de gasolina do País. A CPI deu voz de prisão para Natalino, quinta-feira, em Campinas, depois de ele faltar pela terceira vez às convocações dos parlamentares. O documento foi protocolado ontem à noite.No documento, os advogados argumentam que seu cliente não recebeu nenhuma intimação oficial para depor em Campinas e que está internado desde a tarde do dia 6 no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde faz tratamento de combate ao câncer. Uma fotocópia da requisição de internação foi anexada à petição dos advogados. Natalino, que integra a lista dos maiores sonegadores em postos do Brasil, é acusado de controlar, por intermédio de parentes e "laranjas", um conglomerado de mais de 200 empresas envolvidas com roubo e receptação de cargas, adulteração de combustíveis, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.Advogados da CPI analisam as denúncias, dezenas de inquéritos policiais e cerca de 50 processos que tramitam contra Natalino na Justiça de vários Estados brasileiros, para fundamentar o pedido de prisão preventiva dele, a ser encaminhado, nos próximos dias, à Justiça Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.