Advogados de partidos fazem ato em defesa do presidente do TRE-SP

Alceu Navarro está sob investigação no escândalo dos contracheques milionários no TJ-SP

Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo,

08 de maio de 2012 | 20h09

SÃO PAULO - Em nota pública, 23 advogados que atuam em causas eleitorais declararam nesta terça-feira, 8, confiança irrestrita e defenderam enfaticamente a permanência do desembargador Alceu Penteado Navarro na presidência do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo. Eles repudiam a ideia de renúncia de Navarro, sugerida por desembargadores do Tribunal de Justiça.

Sob investigação no escândalo dos contracheques milionários no TJ - recebeu R$ 640,3 mil entre 2008 e 2010 para cobrir despesas de saúde em família -, Navarro ficou comovido com o gesto dos advogados, que representam quase todas as agremiações políticas. Nesta terça à tarde, no plenário do TRE, eles fizeram um ato em solidariedade ao presidente.

"Acho que terei traquejo suficiente para presidir o tribunal sem nenhum problema", declarou Navarro. "Por mais que me aborreçam certas notícias isso não me tira do sério. Eu sou paciente, todos esses problemas serão contornados e a verdade deverá vir à tona."

O presidente do TRE destacou que existe um volumoso processo, com muitas provas que devem ser examinadas com rigor técnico. "Eu confio que essa decisão será justa e me sinto com força suficiente para presidir essa corte na eleição sem nenhum receio de que a existência desse processo e esse bombardeiro que estou sofrendo pelos meios de comunicação abalarão a minha vontade de presidir a corte com dignidade."

O abaixo-assinado por Navarro, encabeçado pelo decano da advocacia na corte eleitoral, Antonio Tito Costa, diz que a classe "manifesta seu desejo de que o ilustre magistrado cumpra o mandato até o seu último dia". O desembargador assumiu o cargo em dezembro de 2011 - antes, foi corregedor regional eleitoral.

Tudo o que sabemos sobre:
TJ-SPTRE-SPAlceu Penteado Navarro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.