Advogado que denunciou senador é agredido no DF

Bruno aponta namorado da ex-mulher, que também é assessora de Renan, como autor de ataque em boate

Expedito Filho, O Estadao de S.Paulo

25 Setembro 2007 | 00h00

O advogado Bruno Lins, que virou personagem da crise do Senado envolvendo o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o lobista Luiz Carlos Garcia Coelho, foi surrado na madrugada de sábado, em Brasília, na boate Nix.No começo de setembro, reportagem da revista Veja afirmou que, segundo Bruno, Luiz Carlos arrecadava dinheiro em ministérios comandados pelo PMDB, a mando de Renan. O caso transformou-se na quarta representação no Senado contra o senador, última a ser aceita no Conselho de Ética.Em boletim de ocorrência registrado na delegacia da Polícia Civil, Bruno acusou Robério Negreiros Filho de tê-lo espancado com ajuda de outros quatro homens, que seriam seguranças da empresa do pai do agressor, a Brasfort. Robério é namorado de Flávia Garcia Coelho - filha de Luiz Carlos, ex-mulher de Bruno e assessora parlamentar de Renan.Na versão apresentada na delegacia, Bruno disse que foi agredido com socos e pontapés no rosto.Laudo do Instituto Médico Legal (IML), para onde foi encaminhado, teria constatado traumatismo craniano leve e obstrução da visão direita, provocados pelos socos.Segundo Bruno, nem mesmo seu advogado, Eduardo Caixeta Marinho, teria escapado das agressões. "Eles chegaram batendo e o Eduardo foi atingido no maxilar e desmaiou. Eu não vi de onde vinham as pancadas e acabei desmaiando. Não tive a chance de revidar", conta o advogado. Os agressores teriam sido contidos pelos seguranças da casa noturna brasiliense.Bruno considera os ataques de Robério uma tentativa desesperada de intimidação. "É desespero e, embora eu não acuse um senador da República de estar envolvido nisso, também não descarto", afirmou.O advogado disse ainda que pretende entrar com queixa-crime por lesão contra Robério, que, por sua vez, ao lado de Flávia e do pai dela, acusam Bruno de fazer denúncias para denegrir a imagem da ex-mulher.OUTRA VERSÃONa mesma madrugada de sábado, quase no mesmo horário, Robério deu uma versão completamente diferente para a confusão na boate Nix. Ele procurou a Delegacia da Mulher para contar que foi agredido por Bruno e Caixeta, que lhe teria dado um soco no rosto. Robério relatou à polícia que estava no camarote da Nix com Flávia. Em outro trecho do depoimento, porém, afirmou que a namorada não presenciou a agressão porque no momento da confusão ainda estaria se registrando na portaria da casa noturna.Bruno disse que entra nesta semana com um processo por lesão corporal e que essa não foi a primeira tentativa de intimidação de Robério.Ele conta que, logo que fez as primeiras denúncias contra o lobista, Robério já o ameaçara. A polícia vai abrir procedimento para investigar as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.