Advogado nega "manobra" para esconder depoimento de Palocci

O advogado José Roberto Batocchio, que defende o ex-ministro Antonio Palocci na investigação que apura os responsáveis pela violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa divulgou nota na qual afirma que não fez qualquer manobra para esconder o depoimento de seu cliente, prestado ontem à Polícia Federal. Segundo o advogado, o fato de Palocci ter prestado depoimento em sua residência não foi uma regalia, mas sim um direito de qualquer cidadão "em circunstâncias especiais de saúde". Batocchio afirma que foi apresentado à Polícia Federal um atestado médico e feito um ajuste prévio com a autoridade responsável pelo inquérito.Ele disse que a antecipação do depoimento de Palocci, que seria hoje, foi definida pelo delegado Rodrigo Carneiro Gomes, que coordena as investigações. O delegado, segundo Batochio, tinha marcado o depoimento para as 15 horas de ontem. Prevendo que depoimento duraria duas horas e meia, Batochio disse que marcou uma entrevista com os jornalistas para as 17h30. Mas a entrevista só pode ser realizada depois das 22 horas. "O que não podíamos prever era o atraso do delegado Rodrigo Carneiro Gomes, que só chegou à residência do doutor Palocci por volta das 17 horas, resultando, portanto, em um depoimento que se encerrou às 20h45", ressalta a nota. Batocchio pede "escusas" à imprensa pela demora que independeu de sua vontade e que "tantos transtornos causou".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.