Advogado justifica depósitos feitos por Valério

Tolentino diz que os R$ 302,3 mil pagos por agência de publicidade se referem a honorários

Eduardo Kattah, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

01 de outubro de 2007 | 00h00

O advogado Rogério Lanza Tolentino justificou ontem a origem dos R$ 302,3 mil que recebeu entre agosto e outubro de 1998, quantia suspeita de ter saído dos cofres de estatais mineiras no esquema conhecido como mensalão mineiro. Segundo Tolentino, o dinheiro refere-se a pagamento de honorários atrasados feitos pela agência SMPB, de Marcos Valério. No inquérito que investigou o esquema durante a campanha frustrada à reeleição do então governador de Minas, senador Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998, a Polícia Federal indicou que os depósitos nas contas de Tolentino e de sua mulher, Vera Maria, teriam saído das estatais, "desviados para o caixa de coordenação financeira da campanha". Leia sobre o mensalão mineiroO advogado, que divide escritório com Valério em Belo Horizonte, atuou como juiz eleitoral de 1998 a 2000. Ele negou que no período tivesse votado "sistematicamente" a favor da coligação do governador tucano. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, depósitos foram feitos na conta do então juiz em datas próximas dos julgamentos de ações envolvendo o PSDB.As suspeitas de favorecimento contra Tolentino apareceram pela primeira vez em 2005, quando estourou o mensalão petista. À época, foi divulgado que, como relator de uma ação na qual Azeredo era acusado de fazer propaganda eleitoral com verba pública, Tolentino rejeitou a denúncia contra o tucano. Contatado pelo Estado, o advogado indicou a assessoria de imprensa de Valério para falar em seu nome. A assessoria negou que ele tenha recebido recursos do "valerioduto mineiro". "São (pagamentos) referentes a honorários que estavam quatro anos atrasados." Conforme a assessoria, Tolentino atuava como advogado da SMPB desde 1989, antes de Valério se tornar sócio da agência. "Nada começou em 1998." Os depósitos na conta de sua mulher visavam a evitar cobrança de CPMF ou eram feitos "por comodidade". O relatório da PF diz que o advogado justificaria os pagamentos como "supostos serviços de consultoria jurídica". O parecer observa que Tolentino "não faz parte do quadro societário das empresas diretamente evolvidas" - DNA e SMPB. Afirma, porém, que ele "foi sistematicamente beneficiado com recursos públicos desviados, recebendo pagamentos em valores idênticos aos demais envolvidos".Em relação à atuação de Tolentino como juiz eleitoral, a assessoria disse que "ele não votou sistematicamente a favor".Azeredo negou ontem que Tolentino tenha recebido recursos de sua campanha. Por intermédio de sua assessoria, afirmou que a acusação é "mais uma mentira deslavada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.