Advogado-geral defende cerco a grandes devedores

O novo advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli, defende política de tolerância zero contra os maiores devedores do País. "A proteção ao devedor é uma proteção ao sonegador. É uma proteção aos mais endinheirados do País", afirma. Com esse raciocínio, Toffoli apóia projetos do governo que tentam desburocratizar e tornar mais ágil a cobrança de dívidas. "A proteção que é dada ao devedor no Brasil é impressionante. Provavelmente os maiores devedores são os ricos. E por isso é que há tanta proteção. Porque o pobre paga, recebe salário", diz.Divulgados pelo governo há pouco mais de uma semana, os projetos têm o objetivo de apressar a recuperação dos débitos inscritos na dívida ativa da União, hoje de R$ 600 bilhões. Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o governo só consegue recuperar 1% do total das dívidas e espera que, com as mudanças, esse índice suba para 5%. Para Toffoli, não há problemas de ordem jurídica nos projetos, inclusive no que prevê a possibilidade de bloquear bens de devedores sem autorização judicial, pois os atingidos podem contestar a decisão até na Justiça.Ele apóia que as autoridades tenham direito a foro privilegiado quando são investigadas por crimes e atos de improbidade administrativa. "O fato de as ações irem para um foro diferente da primeira instância não significa impunidade. Existe juiz e Ministério Público em todos os tribunais", comentou. Sobre a lentidão dos processos, diz: "Isso acontecerá em qualquer instância. Se começar na primeira, demora muito mais. Espero nunca ser, mas se eu fosse um cliente de uma ação dessas, preferia que ela começasse lá embaixo. Vai demorando e tem mais chance de prescrever."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.