Dida Sampaio | Estadão
Dida Sampaio | Estadão

Advogado deixa defesa de Renan no STF

Eugênio Pacelli era responsável por representar o peemedebista tanto nos inquéritos da Lava Jato quanto nos relativos à pensão de uma filha que o presidente do Senado teve fora do casamento

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2016 | 19h46

BRASÍLIA - O advogado Eugênio Pacelli deixou nesta segunda-feira, 13, a defesa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele era responsável por representar o peemedebista tanto nos inquéritos da Operação Lava Jato quanto nos relativos à pensão de uma filha que teve fora do casamento.

Segundo Pacelli, o motivo da saída é porque o seu contrato seria somente para a fase das investigações e os inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal contra o peemedebista estariam na fase final. Interlocutores do presidente do Senado, no entanto, dizem que com o avanço da Lava Jato, Renan estaria à procura de um nome que tivesse mais trânsito em Brasília e, principalmente, entre os ministros do STF. Pacelli é de Belo Horizonte.

O peemedebista ainda não fechou um nome, mas tem conversado com pessoas da área, como o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay.

A saída de Pacelli acontece no momento mais crítico para Renan na Lava Jato. Na semana passada, veio à público que ele é alvo de um pedido de prisão feito pela Procuradoria-Geral da República após gravações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

Afilhado político do presidente do Senado, Machado fechou um acordo de delação premiada que implica diretamente o peemedebista. Em seus depoimentos, ele teria dito que Renan recebeu cerca de R$ 20 milhões desviados do esquema de corrupção da subsidiária da Petrobrás.

Atualmente, Renan é alvo de nove inquéritos da Lava Jato e um da Operação Zelotes. A denúncia de que teria usado dinheiro de uma empreiteira para pagar pensão de uma filha fora do casamento deve ser levada a plenário ainda este ano. Se for aceita, o peemedebista passa a ser réu e a responder por crimes como peculato e falsificação de documentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.