Advogado de Vilma deixa caso por motivos "financeiros e éticos"

Em carta divulgada nesta segunda-feira, em que comunica sua decisão de não mais defender Vilma Martins Costa, mãe adotiva de Pedrinho e acusada de tê-lo seqüestrado de um hospital de Brasília, o advogado Ezízio Barbosa argumentou que deixou o caso por falta de acordo financeiro e por razões éticas. Ezízio informa, em seu comunicado, que Vilma Martins Costa não compareceu ao encontro marcado para esta segunda, às 8 horas, assim como a outras reuniões agendadas."Presume-se, assim, seu desinteresse ou falta de condições financeiras para arcar com as despesas oriundas do processo e honorários advocatícios relativos ao assunto", afirma o advogado. Ezízio ressaltou, no documento, que existem providências a serem tomadas para a continuidade do trabalho e que deixa o caso com um "lapso temporal" suficiente para que Vilma possa contratar um novo defensor. Segundo ele, a mãe adotiva de pedrinho foi notificada de sua decisão pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.