DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Advogado de Temer diz 'rezar' para ter convencido deputados da CCJ

Antonio Cláudio de Mariz continua alegando que peça da PGR é uma 'obra de ficção'; relatório apresentado hoje na CCJ por Sergio Zveiter (PMDB-RJ) defende a aceitação da denúncia contra Temer

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2017 | 20h32

BRASÍLIA - Após o relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ) apresentar o seu parecer pela admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer, o advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira disse "rezar" para que os deputados acreditem em seus argumentos e votem contra o relatório.

"Eu aposto, torço, rezo para que a minha fala supere o relatório", disse após deixar a sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Zveiter apresentou seu relatório nesta segunda-feira, 10, defendendo a admissibilidade da denúncia contra Temer. Mariz fez uma sustentação oral logo após o parecer ser lido na comissão. 

Segundo o advogado, a estratégia de defesa não muda após o revés na CCJ, e ele vai continuar defendendo que a peça produzida pela Procuradoria-Geral da República é uma obra de "ficção". "Não é possível que se queira processar o presidente da república, o presidente de 200 milhões de brasileiros, através de alegações fruto de mera ilação, ficção mesmo, suposições e hipóteses", afirmou.

Mariz afirmou ainda que respeitava o parecer de Zveiter, mas que não concordava em "nada" com ele. Em seu relatório, o deputado afirmou que a denúncia não era nem "inepta" nem "fantasiosa".

O advogado também defendeu que o melhor seria que o plenário da Câmara deliberasse sobre a denúncia ainda em julho. "Esse verdadeiro dilema que se encontra o País precisa ter um término rápido. O Brasil precisa andar, nós não podemos ficar andando em torno da Lava Jato, de delação, etc." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.