André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Advogado de Temer diz que entrega amanhã respostas à PF no inquérito sobre porto de Santos

Ao todo são 50 perguntas da Polícia Federal encaminhadas ao presidente Temer sobre suposto esquema de corrupção

Carla Araújo, O Estado de S. Paulo

17 Janeiro 2018 | 19h16

O advogado do presidente Michel Temer, Antonio Claudio Mariz, informou ao Estadão/Broadcast Político que vai apresentar nesta quinta-feira, 18, as respostas as 50 perguntas que foram encaminhadas a Temer pela Polícia Federal no inquérito sobre suposto esquema de corrupção no Porto de Santos. Havia a expectativa de que as respostas pudessem ser protocoladas nesta quarta-feira, mas o advogado ainda fará uma revisão final. “As respostas serão protocoladas amanhã (quinta)”, disse Mariz. As respostas serão protocoladas no Supremo Tribunal Federal (STF) e o relator do inquérito na Corte é o ministro Luís Roberto Barroso.

 

No início desta semana, Temer recebeu no Palácio do Planalto o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, e o subchefe de Assuntos jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha, que estava interinamente como ministro da Casa Civil, já que Eliseu Padilha estava de férias até quarta-feira. Segundo o Planalto, no entanto, a conversa foi sobre "segurança pública e segurança nas fronteiras", e não teria tratado das respostas a PF.

++ Auditoria aponta risco na relação de ex-superintendente da Caixa com a Rodrimar

++ Temer recebeu diretor da Polícia Federal no Palácio do Planalto

Na semana passada, o presidente teve um encontro com Mariz, em São Paulo. Na ocasião, ao Estado, Mariz afirmou Temer vai responder a todas as perguntas, apesar de sua defesa considerar alguns dos questionamentos "impertinentes". Ao contrário do ano passado, quando em junho ignorou a PF e não respondeu a nenhuma das 82 indagações feitas no âmbito de outro inquérito - sobre corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa no caso do Grupo J&F -, desta vez o presidente decidiu responder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.