Advogado de Temer diz acreditar em decisão técnica do TSE

Em vídeo postado no Facebook, Gustavo Guedes diz que manter o presidente no cargo é a melhor decisão para o País

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2017 | 11h12

Em vídeo publicado no perfil nacional do PMDB no Facebook, o advogado do presidente Michel Temer, Gustavo Guedes, afirmou acreditar que os ministros doTribunal Superior Eleitoral (TSE) possam tomar uma "decisão técnica" ao longo do julgamento da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, vencedora da eleição de 2014, que terá início na noite desta terça-feira, 6. Se a ação que pede a cassação da chapa for julgada procedente pela corte eleitoral, Temer pode ser afastado do cargo após a apreciação de todos os recursos.

Segundo Guedes, que representa o presidente na ação, não deve haver nenhuma comunicação entre os fatos que se deram no Supremo Tribunal Federal (a abertura de inquérito contra Temer por participação em organização criminosa, obstrução à Justiça e corrupção passiva) e o julgamento do TSE. "Estamos confiantes naquilo que tratamos na defesa e esperamos que o TSE tenha, ao final, uma decisão técnica, alheia a essas pressões que temos vistos nos últimos dias, especialmente do procurador-geral da República (Rodrigo Janot), para tentar desestabilizar o tribunal. Se isso acontecer, na nossa avaliação, será um perigo à democracia", disse.

No vídeo, Guedes diz que falou com cada um ministros do TSE, apresentando suas razões. "Temos confiança que chegaremos ao final com um resultado positivo, que avalia as provas do processo e, como o Ministério Público Federal bem comprovou, não há nenhum tipo de participação do presidente Michel Temer naqueles fatos relativos à campanha de 2014 (gastos de campanha acima do informado, uso de doações com origem no esquema de corrupção da Petrobras, ocultação de dados econômicos-sociais negativos)."

A defesa de Temer pede pela improcedência da ação apresentada pelo PSDB ou pela conclusão de que não há responsabilidade do presidente nos fatos, o que o manteria no cargo. "Na nossa avaliaçãom seria a melhor decisão para o País."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.