Advogado de João Paulo diz ter esperança de absolvição

Alberto Toron diz que réu irá se submeter a 'qualquer decisão judicial'

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2012 | 17h09

O advogado Alberto Toron afirmou que o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) vai "se submeter" à decisão do Supremo Tribunal Federal se for decretada a sua prisão. Toron destacou que o tribunal está dividido em relação a dois dos quatro crimes imputados a seu cliente e disse ter ainda esperança de uma absolvição.

"Se for decretada a prisão, ele vai se submeter. Ele vai se submeter a qualquer decisão judicial", disse o advogado, ressaltando que só considera possível a expedição de eventual mandado após o trânsito em julgado, ou seja, após embargos que poderão ainda ser interpostos pela defesa.

Até o final da tarde desta quarta-feira, 29, existem cinco votos pela condenação de João Paulo pelos crimes de corrupção passiva e um peculato, relativo ao contrato com a SMP&B, faltando apenas um para se alcançar a maioria no STF. Há também três votos pela condenação e três pela absolvição em relação ao crime de lavagem de dinheiro, enquanto quatro ministros votaram pela absolvição e três pela condenação em relação ao peculato envolvendo a contratação da empresa IFT, de um jornalista que atuaria assessor pessoal do deputado.

O advogado destacou que na dosimetria proposta por Peluso, João Paulo seria enquadrado no regime semiaberto, no qual teria de se recolher a um presídio apenas no período da noite. Considerou ainda "natural" a perda do mandato em caso da decretação da prisão. João Paulo é o único dos 37 réus em julgamento que disputa as eleições deste ano. Ele é candidato a prefeito de Osasco.

O defensor criticou algumas afirmações de Peluso insistindo na inocência de seu cliente. "O ministro se apegou a dados circunstanciais equivocados". Toron afirma que o petista recebeu o dinheiro para pesquisas pré-eleitorais na região de Osasco (SP) e que não ajudou a SMP&B em licitação na Câmara.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaojulgamentoJoão Paulodefesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.