Advogado de Jacinto Lamas diz que cliente 'não sabia' do mensalão

Defesa citou ex-presidente Lula em seu argumento, desvinculando acusado do esquema

Eduardo Bresciani - Agência Estado

10 de agosto de 2012 | 19h34

BRASÍLIA - O advogado Délio Lins e Silva Júnior usou para o seu cliente, o ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas, a mesma justificativa dada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para se desvincular do mensalão. Para a defesa, se é possível acreditar que Lula "não sabia", o mesmo deve ser aplicado a Jacinto. O argumento foi apresentado no julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

"Existe uma pessoa que disse que o presidente sabia de tudo: o ex-deputado Roberto Jefferson. Por que é tão fácil acreditar no presidente Lula, mesmo com depoimento dizendo que ele sabia, e tão difícil acreditar em Jacinto Lamas de que ele não sabia e não tendo depoimento em contrário?", disse Silva Júnior.

 

O advogado citou a expressão usada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de que o esquema acontecia "entre as quatro paredes do Palácio do Planalto" para questionar a falta de critério do Ministério Público. "Quero falar sobre o presidente Lula. Não estou a dizer que deveria figurar nessa denúncia. Ele não sabia de nada sobre esse suposto esquema do mensalão. O que questiono é a ausência de critério do Ministério Público. Se entre as quatro paredes do Planalto, segundo o procurador-geral, eram feitas as tratativas, quem seria o maior beneficiário? O chefe da nação, o presidente Lula".

 

O advogado afirmou que mesmo que o esquema tenha existido, seu cliente não participou. Disse que Jacinto apenas agia como mensageiro de Valdemar da Costa Neto, então presidente do partido. Hoje, o deputado é secretário-geral do PR, partido que sucedeu o PL.

 

"Quem mandava e desmandava naquele partido, como manda e desmanda até hoje, era o deputado Valdemar da Costa Neto, desde a compra de uma caneta e um café até reuniões políticas e direcionamento de votações num sentido ou outro. Jacinto era um zero à esquerda em termos políticos. Valdemar mandava também nas finanças, o papel de tesouraria do Jacinto era figurativo", disse o defensor.

 

Silva Júnior usou depoimentos do próprio Valdemar para dizer que os sete saques realizados por Jacinto Lamas foram feitos por ordem do deputado. Disse ainda que o ex-tesoureiro não participou da elaboração de um falso contrato entre a empresa Garanhuns e a SMP&B, de Marcos Valério. Foi pela Garanhuns que mais recursos foram encaminhadas ao PR.

 

O advogado afirmou que o STF precisa fazer a distinção entre "mensageiros" e "mensaleiros" e afirmou que seu cliente vem sendo tratado como condenado nos últimos sete anos por ser réu no processo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.