Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Advogado diz que prisão de Garotinho é 'abusiva e ilegal' e que entrará com habeas corpus

Ex-governador do Rio e atual secretário de governo de Campos dos Goytacazes é investigado por envolvimento na Operação Chequinho, que apura uso eleitoral do programa Cheque Cidadão na cidade

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2016 | 12h12

RIO - O advogado de defesa do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho (PR), Fernando Augusto Fernandes, classificou como "abusiva e ilegal" a prisão do político na manhã desta quarta-feira, 16, em sua casa no bairro do Flamengo, na zona sul da cidade do Rio. Em comunicado, o advogado afirma que o decreto de prisão assinado pelo juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Vara Eleitoral de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, faz parte de uma sequência de prisões ilegais decretadas"por aquele juízo e suspensas por decisões liminares do Tribunal Superior Eleitoral".

"A prisão a qual está submetido o ex-governador é abusiva e ilegal e decorre da sua constante denúncia de abusos de maus tratos a pessoas presas ilegalmente naquela comarca", traz a nota. Segundo o advogado, as denúncias de abuso foram dirigidas à Corregedoria da Polícia Federal e ao juiz, que, segundo Fernandes, "nenhuma providência tomou".

Garotinho foi preso na Operação Chequinho, da Polícia Federal de Campos, acusado de usar o programa social Cheque Cidadão para comprar votos na cidade nas eleições deste ano.

Segundo o advogado do ex-governador, "pessoas presas mudaram vários depoimentos após ameaças do delegado. No entanto, o TSE já deferiu quatro liminares por prisões ilegais". Ele disse acreditar que a Justiça não manterá a prisão de Garotinho, que classificou como "ato de exceção". E informou ainda que entrará com pedido de habeas corpus na Justiça ainda nesta quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.