REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

Advogado de Flávio vai defender Bolsonaro em caso Adelio

Frederick Wassef teve reuniões com o presidente no Palácio da Alvorada nos últimos dois fins de semana

Ricardo Galhardo e Matheus Vargas, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2019 | 21h07

SÃO PAULO e BRASÍLIA – O advogado Frederick Wassef, defensor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), representará o presidente Jair Bolsonaro em ação no Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1) que trata de investigações sobre Adélio Bispo de Oliveira, autor de atentado a faca contra o presidente há mais de um ano. A informação foi confirmada nesta segunda-feira, 30, pelo porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros. 

Bolsonaro e Wassef tiveram reuniões no Palácio da Alvorada durante os últimos dois fins de semana. A procuração foi assinada pelo presidente no dia 21 de setembro. O advogado defende Flávio no caso das movimentações suspeitas apontadas pelo Coaf. 

Ao Estado, Wassef cobrou isonomia das entidades de defesa dos direitos humanos na atenção ao atentado contra o presidente em relação ao assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), assassinada ao lado do motorista Anderson Gomes em março do ano passado. 

“Queremos saber quem mandou matar Jair Messias Bolsonaro. Não foram poucas vezes que vi pessoas de entidades internacionais, algumas que nem falam português direito, na TV falando da Marielle. Contamos com o apoio e empenho destas entidades”, ele disse.

O TRF-1 irá decidir se as investigações contra Adélio serão retomadas. Em março deste ano, tribunal suspendeu a análise do material apreendido em endereços do advogado de Adélio Bispo, Zanone Manuel de Oliveira, a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que argumentou ser ilegal investigar um advogado por sua atuação profissional. Em abril, a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão.

O julgamento no TRF-1 pode ser “decisivo para chegar aos mandantes da tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro”, escreveu o presidente no Twitter, no último dia 16.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.