Advogado de Eike Batista nega acesso antecipado a autos da PF

Celso Vilardi conta ter sabido de investigação sobre MMX pois agente da PF soltou informação durante aula

Alberto Komatsu, de O Estado de S. Paulo,

15 de julho de 2008 | 19h48

O advogado da mineradora MMX, Celso Vilardi, negou nesta terça-feira, 15, que tenha acessado os autos da investigação da Polícia Federal do Amapá dois dias antes de a Operação Toque de Midas ter sido deflagrada. Ele afirma que só teve acesso aos autos no próprio dia 11, quando a diligência já estava sendo realizada no Pará, no Amapá e no Rio, onde a sede da MMX e a residência de Eike Batista foram vasculhadas.  Veja também:Eike Batista: o 3º homem mais rico do Brasil  MMX Amapá nega que tenha cometido irregularidades  As ações da Polícia Federal no governo LulaEike Batista é alvo da PF em ação contra fraude em licitação Vilardi diz que soube de uma eventual investigação sobre a MMX porque um agente da PF que dá aulas de Direito em uma faculdade de Macapá soltou a informação em plena sala de aula. "O prejuízo já aconteceu. Tive acesso aos autos e neles não há nenhuma prova de que houve fraude na licitação", afirma o advogado da MMX.  Vilardi conta que soube que o agente da PF falou sobre uma eventual operação contra a MMX por meio de uma aluna que testemunhou a informação e que é casada com um executivo da MMX. O advogado relata que sua primeira tentativa de acessar o inquérito ocorreu em 1º de julho na Justiça Federal do Amapá e na própria PF, que negaram o acesso. Depois disso, Vilardi conta que ajuizou um habeas-corpus no Tribunal Regional Federal de Brasília com o argumento de que o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia consolidado entendimento no qual não existe investigação sigilosa. Vilardi conta que o argumento foi aceito pelo TRF. Mesmo assim, diz ele, a PF do Amapá teria resistido a fornecer os dados da investigação sob a alegação de que os nomes das pessoas que poderiam ser alvo da investigação não estavam no sistema da PF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.