Advogado de Cachoeira se diz 'surpreso e estupefato' com prisão de seu cliente

Para Nabor Bulhões, medida fere os princípios da dignidade da pessoa humana, da liberdade e da presunção da inocência

Agência Estado

07 de dezembro de 2012 | 20h25

O advogado de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, Nabor Bulhões, se disse "surpreso e estupefato" nesta sexta-feira, 7, com a ordem de prisão, pois, recentemente, o Tribunal Federal da 1ª Região (TRF1) concedeu habeas corpus ao seu cliente no mesmo processo. "Me parece que a essa decisão afronta a autoridade e a eficácia do acórdão proferido pelo tribunal", protestou.

Segundo ele, uma determinação para que Cachoeira voltasse à cadeia só seria aceitável se houvesse novidade no processo, o que não se aplicaria à decisão, tendo o contraventor direito a recorrer em liberdade. "Sentença condenatória só é fato novo quando transita em julgado. No caso do Cachoeira, é decisão proferida em primeira instância, sujeita a recursos sucessivos", afirmou, acrescentando que a situação "conspurca" garantias do acusado.

Nabor disse no início da noite desta sexta que ainda não havia lido a sentença. Provavelmente, já na segunda-feira, a defesa vai pedir novo habeas corpus para Cachoeira. O contraventor foi preso em casa, por volta das 14 horas, na presença dos filhos, e logo ligou para o advogado. Para Bulhões, a ordem fere os princípios da dignidade da pessoa humana, da liberdade e da presunção da inocência, já que o seu cliente não oferecia nenhum risco e está doente, se recuperando de um transtorno bipolar e isquemia.

"Ele não está bem de saúde. Estava em casa por recomendação médica e só não ficou no hospital por uma razão: é sempre um local perigoso, do ponto de vista da contaminação", reclamou. "Veja bem que grande periculosidade ele oferece. É uma grande brincadeira do direito".

Tudo o que sabemos sobre:
Carlinhos Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.