Advogado acusa promotores de ''''sensacionalismo''''

Defensor de Zeca diz que denúncias são ?apressadas? e reclama que não teve acesso ao livro-caixa

Campo Grande, O Estadao de S.Paulo

29 de outubro de 2007 | 00h00

O advogado Newley Amarilla, que representa o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, repeliu com veemência a suspeita sobre mensalão em Mato Grosso do Sul. "É tudo sensacionalismo, é mais um factóide", acusou o advogado do petista."O mal dessas denúncias apressadas é que os próprios promotores acabam dando corda para se enforcar", completou Amarilla, que alegou ainda não ter tido acesso ao livro-caixa recolhido na casa de Salete Terezinha de Luca, suspeita de ser a responsável pelos pagamentos do suposto mensalão."Tenho primeiro que ver o documento", anotou Amarilla. "Por que o Ministério Público não dá a oportunidade a todos para se manifestarem? Eu não tenho condições de falar sobre esse livro. Eu não vi, nem sei o que é isso", reclamou.O advogado afirmou que o Ministério Público "tem que ter a responsabilidade de investigar ou mandar a polícia investigar primeiro para saber quem são as pessoas citadas no livro, quem recebeu e a que título recebeu"."Não pode ficar soltando uma coisa dessas, enlameando nomes sem o mínimo de indício", insistiu o advogado do ex-governador. "A divulgação precipitada das coisas, desnecessariamente, não causa prejuízo apenas à presunção de inocência mas à própria investigação", frisou Amarilla.O advogado considera que a suspeita do Ministério Público acerca de um mensalão no governo Zeca do PT "é mais um tiro n?água, mais uma fantasia do que propriamente alguma coisa que tenha relevância". Para ele, "lançar factóides fica bem na mão de político, não de promotores"."O totalitarismo do Ministério Público é muito preocupante porque alguns promotores se desgarram de qualquer limite constitucional e promovem processos inquisitórios", sustenta o advogado."Eles tocam dois processos: o midiático e o penal. Só que o penal, hoje, não tem tanta importância quanto o midiático. Zeca já foi acusado, processado, condenado e executado pelo Ministério Público com auxílio da mídia. Precisamos encontrar critério mais justo. Zeca nunca foi ouvido pela promotoria, nunca. Há um abuso, uma atitude temerária", acusou Amarilla.Zeca do PT não quis falar sobre as denúncias e o suposto desvio de verbas por meio de agências de publicidade. "Não quero falar sobre isso. Eu conheço a imprensa, isso não me preocupa. Fica frio, bicho", limitou-se a dizer. Atualmente, ele se dedica a um escritório de consultoria a empresas que instalou no centro de Campo Grande. FRASESZeca do PTEx-governador de MS"Não quero falar sobre isso. Eu conheço a imprensa, isso não me preocupa. Fica frio, bicho"Newley AmarillaAdvogado de Zeca"Eles tocam dois processos: o midiático e o penal. Só que o penal, hoje, não tem tanta importância quanto o midiático"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.