Polícia Civil do Paraná
Polícia Civil do Paraná

Advogada diz que discussão precedeu ataque no PR

Ferida por estilhaços diz que antes dos disparos contra acampamento em apoio a Lula, um homem fez ameaça de morte

Gilberto Amendola e Edson Fonseca, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2018 | 22h20

A advogada Márcia Koakoski, de 42 anos, uma das vítimas do ataque a tiros contra o acampamento montado em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, na madrugada de sábado, afirmou que um bate-boca e ameaças de morte precederam o crime. Márcia foi ferida no ombro por estilhaços de um banheiro químico atingido por um dos disparos. “Fisicamente não foi grave, mas estou abalada psicologicamente”, disse.

+ Homem ferido em acampamento pró-Lula será ouvido pela polícia

“Acordei à uma e meia da manhã, com uma frenada brusca de carro. Ouvi gritos de ‘Bolsonaro presidente’, e xingamentos aos vigilantes que estavam ali, nos guardando”, contou a advogada. Em seguida, de acordo com o depoimento, os seguranças do acampamento reagiram soltando fogos de artifício para espantar os agressores. “Mas, nesse momento, um deles ameaçou o companheiro dizendo: ‘vou voltar aqui e vou te matar”, relata. 

Quando a discussão acabou, as pessoas no acampamento pensaram se tratar de apenas mais uma bravata - sem consequências mais sérias. “Esse tipo de ameaça tem se tornado corriqueira”, afirmou. Então, Márcia se levantou e foi ao banheiro químico. De lá, ouviu novamente gritaria, rojões e aquilo que imaginou serem tiros. “Nessa hora, ouvi as pessoas gritando: ‘Tem baleado, tem baleado. Foi nesse momento que ouvi um estouro e um impacto em meu ombro.”

Imagens de câmeras de segurança divulgadas pela polícia mostram um homem efetuando os disparos. A advogada é da cidade de Xangri-Lá, Rio Grande do Sul, e seguiu para Curitiba para passar três dias no acampamento “Marisa Letícia”, para manifestar apoio ao ex-presidente Lula, preso no prédio da Polícia Federal desde o dia 7.

Além de Márcia, o presidente do sindicato dos motoboys de Santo André, Jefferson Menezes, também foi atingido. O caso dele é mais grave. Menezes foi alvejado no pescoço e permanece internado - o quadro dele é estável, mas sem previsão de alta. Um inquérito foi instaurado e Menezes deve prestar depoimento sobre o episódio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.