Advogada de Pitta diz que amizade com Nahas não é crime

Ruth Estefanelli disse ainda que seu cliente não tem vinculação com Daniel Dantas, também preso pela PF

Ricardo Leopoldo, de O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2008 | 14h40

A advogada do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, Ruth Estefanelli, afirmou nesta quarta-feira, 9, que seu cliente não tem nenhuma vinculação com o sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, e que com o investidor Naji Nahas, ele possui apenas um relacionamento de amizade. "O que não caracteriza nenhum crime", frisou a advogada, na sede da Polícia Federal, na Capital, onde visitou o ex-prefeito. Além de Pitta, Dantas e Nahas também estão detidos na carceragem da PF.   Veja também: STF deve julgar hoje habeas-corpus de Dantas Prisão não afeta venda da BrT à Oi, diz ministro Imagens da Operação Satiagraha Opine sobre a prisão de Dantas, Nahas e Pitta  Entenda como funcionava o esquema criminoso  PF prende Daniel Dantas, Naji Nahas e Celso Pitta Dantas ofereceu suborno de US$ 1 milhão para escapar da prisão, diz MP Entenda o nome da Operação Satiagraha, que prendeu Dantas   Ruth Estefanelli disse que já fez uma petição ao juiz Fausto Martin De Sanctis para ter acesso aos autos do processo que levaram à prisão de seu cliente. "Desconheço os fatos que motivaram a detenção do senhor Celso Pitta, pois não pude verificar os autos. Tão logo isso possa ocorrer, vamos definir quais serão os próximos passos da defesa do senhor Celso Pitta", declarou, ao lado da colega e também advogada do ex-prefeito Paula Sion de Souza Naves. A advogada ressaltou que provavelmente seu cliente prestará depoimento nesta quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.