Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Advogada de Clodovil discute com Ciro Moura em velório

Maria Hebe Pereira de Queiroz acusou o presidente do PTC de 'fingimento e falsidade' causando alvoroço

CAROLINA RUHMAN, Agencia Estado

18 de março de 2009 | 16h09

A presença do presidente do Partido Trabalhista Cristão (PTC), Ciro Moura, no velório do deputado federal, estilista e apresentador Clodovil Hernandes (PR-SP) causou alvoroço no hall da Assembleia Legislativa de São Paulo. Na semana passada, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou a acusação do PTC de infidelidade partidária contra Clodovil, que deixou a legenda em setembro de 2007 para se filiar ao Partido da República (PR). Revoltada, a advogada e testamenteira de Clodovil, Maria Hebe Pereira de Queiroz, gritou com Ciro Moura: "Eu cheguei aqui às 9 horas e avisei que, se o Ciro Moura apontasse aqui, eu ia esquecer que era advogada e que eu tinha educação e berço".

 

Veja também:

especialEspecial: relembre a trajetória do ex-estilista e deputado

linkAguinaldo Timóteo homenageia Clodovil em velório

linkPolêmica foi principal marca de Clodovil, diz Temer

linkCorpo de Clodovil chega à Assembleia de SP para velório

link Coronel da PM paulista assume vaga deixada por Clodovil

link Órgãos de Clodovil não poderão ser doados, diz hospital

Ela acusou o presidente do PTC de "fingimento e falsidade". "O que ele veio fazer aqui? Ele veio prestar homenagem a uma pessoa que ele só prejudicou", disse a advogada. "Ele veio fazer aqui politicagem. Veio aqui para sair na mídia." A advogada também enfatizou que não desrespeitou o líder do PTC. "Eu não desrespeitei. Quem desrespeitou o falecido foi ele, porque tenho certeza de que se o Clodovil pudesse se levantar de lá, faria pior", afirmou.

Ciro Moura disse que apenas "ignorou" os ataques da advogada. "Ela fez barulho, escândalo. Tem de respeitar primeiro o falecido. O que ela pensa de mim, ela tem de dizer fora daqui, se é que ela pensa", ironizou o parlamentar. Ele aproveitou para destacar sua boa relação com Clodovil. "As imagens (do julgamento) do TSE estão lá. Quando nós nos encontramos lá, foi abraço e beijo, palavras gentis", afirmou ele, acrescentando que Clodovil o havia o convidado nesta semana para jantar. Segundo o presidente do PTC, a iniciativa de processar Clodovil partiu da legenda. "Essa é uma decisão partidária e quem está aqui é Ciro Moura, pessoa física, amigo dele."

Tudo o que sabemos sobre:
ClodovilvelórioadvogadaCiro MouraPTC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.