Administrador de hospital investigado pela PF comete suicídio

O administrador da Santa Casa de Poços de Caldas, Sul de Minas, Carlos Henrique Marcondes, de 57 anos, cometeu suicídio, segundo colegas, em razão de "pressões psicológicas" que vinha sofrendo nos últimos dias. A entidade, que ele comandava havia 22 anos, é investigada pela Polícia Federal por acusações de desvio de verbas e improbidade dos dirigentes. Com uma dívida superior a R$ 3 milhões e recentemente descredenciada da rede de transplantes do Sul de Minas (MG-Sul Transplante)- o motivo foi o indiciamento pela PF de quatro médicos da instituição, acusados de retirada irregular de órgãos de uma criança -, a Santa Casa também está ameaçada de fechar as portas.De acordo com a Polícia Militar, Marcondes foi encontrado dentro do próprio carro. Segundo a perícia feita no local e o relatório da autópsia, ele disparou um revólver calibre 38, encontrado no automóvel, na boca. O administrador, com sinais de pólvora na mão, chegou a ser levado com vida para a Santa Casa, mas morreu 40 minutos depois. O corpo de Marcondes deve ser sepultado na manhã desta quinta-feira, em Poços de Caldas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.