Administração do PT diz que licitação foi legal

A sindicância da prefeitura de Ribeirão Preto, no interior paulista, que investigava a licitação da compra de 41.787 cestas básicas, no valor de R$ 1,25 milhão, que exigia a inclusão do "molho de tomate peneirado e refogado com ervilhas", não constatou irregularidade no processo. A licitação, que se tornou polêmica na cidade, havia sido suspensa pelo prefeito Antônio Palocci Filho (PT), que se licenciou do cargo na segunda-feira para coordenar a campanha do candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva.O assunto do molho, porém, continua sendo investigado pelo Ministério Público e até pela polícia. O relatório da sindicância foi entregue ao MP na tarde de terça-feira e consta que o secretário de Cidadania, Atílio Rossi, indicou a inclusão do molho na licitação. Ele recomendou uma investigação, feita nos arquivos da pasta, que indicou que esse produto teria "valores nutricionais de alto índice".Como o molho é raro no mercado, e feito apenas sob grande encomenda, o vereador Nicanor Lopes (PSDB) fez a denúncia de um possível direcionamento, já que as únicas fornecedoras seriam quatro empresas do ABC paulista: Thathica, Cathita, Gesa e Supermercado Estrela de Suzano.O promotor da Cidadania, Sebastião Sérgio da Silveira, recebeu o relatório da sindicância, mas ainda não encerrou o inquérito que investiga uma possível improbidade administrativa feita por funcionários públicos.Na Polícia Civil, a pedido do Tribunal de Justiça, um inquérito também apura o caso e o possível envolvimento do prefeito licenciado Palocci.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.