Adiado no Senado, caso Schincariol vai para Câmara

PSOL encaminhará pedido de processo contra irmão de Renan, na Câmara, nesta 5ª; no Senado, caso fica para agosto já que conselho está ´sobrecarregado´, diz sigla

Andréia Sadi, do estadao.com.br

11 de julho de 2007 | 15h31

Após o presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha (PMDB), negar o pedido do PSOL para que a nova denúncia contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), fosse anexada ao processo ,o partido decidiu, nesta quarta-feira, 11, entrar com uma nova representação contra Renan, mas somente em agosto. Por outro lado, o partido vai apresentar nesta quinta-feira uma representação contra o irmão de Renan, o deputado federal Olavo Calheiros (PMDB), na Câmara dos Deputados, que também estaria envolvido na denúncia.Segundo a reportagem da revista Veja desta semana, foi descoberta uma operação que possibilitou à família Calheiros vender uma fábrica de tubaína em Murici (AL) por R$ 27 milhões para a Schincariol, embora a empresa estivesse com problemas financeiros e não valesse mais do que R$ 10 milhões. A reportagem disse ainda, sobre a negociação, que Renan teria atuado em favor da Schincariol no INSS, para impedir que a dívida de R$ 100 milhões da cervejaria fosse executada, e na Receita Federal, contra a multa por sonegação de impostos. O PSOL informou, por meio de sua assessoria, que decidiu adiar a nova representação uma vez que o Conselho de Ética está sobrecarregado com o processo que já está em andamento no órgão. ´´O Conselho não consegue nem resolver um (processo), imagine dois, disse a assessoria.No entendimento de Heloísa, toda denúncia precisa ser apurada. Em seu parecer, Quintanilha justifica que a aceitação do aditamento "atrasaria o andamento das investigações em curso, feitas a partir de representação de autoria do próprio PSOL". Renan é alvo de processo no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. O presidente do Senado é acusado, entre outras denúncias, de ter despesas pessoais pagas por lobista da construtora Mendes Júnior. O pagamento seria destinado à jornalista Mônica Velloso, com quem Renan tem uma filha de três anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.