Adiada votação sobre CPI para investigar Jader

Um pedido de vistas dos deputados Renato Viana (PMDB-SC) e Jarbas Lima (PPB-RS) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara adiou para a semana que vem a votação de uma proposta de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), na época em que este era ministro da Reforma Agrária e, posteriormente, da Previdência Social, durante o governo Sarney. Jader é acusado, dentre outras coisas, de vender e permutar imóveis favorecendo compradores e intermediários, intermediar pagamentos irregulares de contas em atraso com hospitais, promover concorrências fraudulentas e de envolvimento em uma compra suspeita de terras em Marabá, no Pará, com resgate de títulos num prazo de cinco anos, quando o normal são vinte anos.Renato Viana mostrou-se preocupado com o fato da CCJ resolver votar agora um pedido de CPI que está parado desde 1992 e saiu em defesa do senador paraense. "Não podemos aproveitar o momento em que o senador Jader está igual à São Sebastião, crivado de flechas, nas cordas, e aprovar algo de maneira precipitada". O deputado lembrou que o regimento é claro ao explicitar que CPIs devem examinar objetos definidos com prazo determinado. "Já se passaram mais de oito anos, temos que nos conter para não cometermos injustiças".O deputado Paulo Magalhães (PFL-BA), sobrinho do ex-senador Antônio Carlos Magalhães, defendeu a aprovação do pedido de CPI. "A Câmara pode sim abrir uma investigação e deve apurar tudo, já que o senador Jader é presidente do Congresso Nacional e crimes dessa natureza não prescrevem". O deputado Jarbas Lima (PPB-RS), outro que pediu vistas, disse que tomou essa iniciativa para dar uma esquentada maior no relatório, mas que é favorável à aprovação da CPI. "Temos de aprovar, caso contrário, estaremos tomando uma decisão absurda; o constrangedor é termos ficado tanto tempo sem examinar a matéria, o que poderia ter evitado os acontecimentos que envolvem atualmente o senador Jader".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.