Pedro Venceslau / Estadão
Pedro Venceslau / Estadão

Adesão do Centrão a Alckmin domina discussão política na internet, indica FGV

De acordo com o Dapp, as menções a Alckmin nas redes sociais aumentaram 715% na comparação com as 24 horas anteriores ao anúncio de aliança para eleições 2018

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2018 | 15h49

A adesão do Centrão à pré-candidatura à Presidência do ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) nas eleições de 2018 foi o principal tema debatido nas redes sociais por internautas na última semana, indica levantamento feito Diretoria de Análise de Políticas Públicas (Dapp) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Tanto à esquerda quanto à direita do espectro político, a decisão motivou críticas a Alckmin e ao pré-candidato Ciro Gomes, do PDT, preterido pelo tucano nas conversas com o grupo de partidos formados por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade

De acordo com o Dapp, as menções a Alckmin nas redes sociais aumentaram 715% na comparação com as 24 horas anteriores ao anúncio da adesão do Centrão à sua pré-candidatura. O viés inicial das postagens, no entanto, era essencialmente negativo.

"Ainda que as notícias mais compartilhadas apontassem a conquista de maior espaço para Alckmin no horário eleitoral, o que fortaleceria sua campanha, o presidenciável foi criticado por ter cedido a demandas, como o fim da cobrança obrigatória do imposto sindical", diz a pesquisa. "Isso foi percebido como uma aproximação de Alckmin a uma pauta mais à esquerda."

Ainda de acordo com o levantamento, a reação positiva do mercado ao fortalecimento de sua candidatura passou a melhorar as menções ao tucano. 

Por outro lado, internautas mais à esquerda viram a aliança como prejudicial a Ciro Gomes (PDT). "Ciro passou a ser visto como uma espécie de "camaleão" político, ora buscando apoio no Centrão, ora em Lula/PT", diz a pesquisa. 

Internautas favoráveis ao pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL), por sua vez, criticaram a aproximação entre Alckmin e o Centrão, vinculando-os a denúncias de corrupção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.