Acusados no caso dos fiscais do Rio são soltos

Condenados a 11 anos de prisão pela Justiça Federal por envolvimento no escândalo que ficou conhecido como Propinoduto, em que fiscais de renda enviaram mais de US$ 33 milhões para a Suíça, os empresários Reinaldo Pitta e Alexandre Martins foram liberados nesta quarta-feira do presídio estadual Ary Franco, em Água Santa, zona norte do Rio. Na terça-feira, eles conseguiram uma liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que lhes dá o direito de recorrer da sentença em liberdade.Os dois foram condenados porque a Justiça Federal conseguiu provas de que eles ajudaram os fiscais de renda do Estado do Rio responsáveis pela fraude a enviar ilegalmente dólares para o exterior. Também foram beneficiados pela mesma medida do STJ o advogado Herry Rosemberg e o administrador de empresas Ronaldo Adler. Eles estavam na carceragem do Ponto Zero, em Benfica.Todos foram presos após a condenação decidida pelo juiz federal Lafredo Lisbôa. A liminar foi concedida pelo presidente do STJ, ministro Nilson Naves. O Ministério Público Federal ainda pode contestar a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.