Acusados de matar casal de ambientalistas são presos

Dupla tentou fugir durante o cerco da polícia, mas foi obrigada a se render

Carlos Mendes, especial para O Estado,

18 Setembro 2011 | 18h49

BELÉM - Os irmãos José Rodrigues Moreira e Lindonjonson Silva Rocha, apontados pelo Ministério Público como mandante e executor da morte do casal de ambientalistas José Cláudio Ribeiro Silva e Maria do Espírito Santo Silva, no dia 24 de maio passado em Nova Ipixuna, sudeste do Pará, foram presos no começo da manhã de domingo, 18, durante operação conjunta das Polícias Civil e Militar. Eles estavam escondidos em um barraco no meio da mata no município de Novo Repartimento, na região paraense do Baixo-Tocantins.

Segundo a polícia, a dupla tentou fugir durante o cerco ao barraco, mas foi obrigada a se render. Com eles, os policiais encontraram três revólveres calibre 38 e uma espingarda. Os acusados foram levados de helicóptero para Belém sob forte escolta. Eles chegaram no começo da noite e deveriam prestar depoimento ao delegado Rilmar Firmino.

"Foi um trabalho árduo de investigação, porque eles sempre se deslocavam de um local para outro, dentro do Pará, tentando confundir a polícia. Mas nós demos o bote na hora certa é os pegamos", disse ao Estado o delegado-geral da Polícia Civil, Nilton Ataíde. Os detalhes da prisão serão revelados na manhã desta segunda-feira, durante entrevista coletiva.

José Claudio e Maria do Espírito Santo foram surpreendidos por emboscada armada pelo fazendeiro José Rodrigues e seu irmão em uma estrada de acesso ao assentamento Praialta Piranheira. O casal recebeu tiros no peito e na cabeça. Depois de morto, José Cláudio teve uma das orelhas cortadas por um dos matadores.

 
A promotora de justiça Amanda Luciana Lobato denunciou Rodrigues e Lindonjonson por homicídio duplamente qualificado. Ambos fugiram depois de ter a prisão preventiva pedida pelo Ministério Público à Justiça de Marabá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.