Acusados de grilagem desafiam autoridades no Pará

Os madeireiros Sírio da Silveira Ferraz e Dirceu Moreira dos Santos, acusados de invasão e grilagem de terras públicas em Monte Alegre, no oeste do Pará, mandaram nesta quarta-feira um aviso para as autoridades fundiárias do Estado: não pretendem sair das áreas que ocupam e prometem reagir a qualquer tentativa para retirá-los. Pistoleiros armados montaram barreiras na mata para impedir a chegada de estranhos ao local onde grande quantidade de madeira foi armazenada. Técnicos do governo que estiveram na região ficaram impressionados com a ousadia dos grileiros e a devastação que eles já provocaram. Para derrubar a floresta, os invasores abriram 170 quilômetros de estradas clandestinas, aterrando lagos e igarapés. Desmataram o que puderam, queimando o que sobrou para transformar tudo em campos de soja. Em Monte Alegre, que é um município do tamanho do estado de Sergipe, um terço do território (700 mil hectares) está hoje em poder de invasores.Força-tarefaAs terras invadidas estão localizadas em áreas de proteção especial do Estado, segundo decreto sancionado em agosto do ano passado pelo governador Simão Jatene. O diretor de fauna e flora da Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Sectam), Lahire Dillon Figueiredo Filho, disse que Sirio Ferraz, Dirceu dos Santos e outros grandes grileiros terão de sair de qualquer maneira das terras, porque elas fazem parte do projeto de macrozoneamento ecológico-econômico do governo estadual.Ele anunciou que uma força-tarefa, com apoio das Polícias Civil e Militar, terá de ir ao local "com urgência" para retirar os invasores. "Quanto mais o tempo passar maiores serão os prejuízos causados à natureza", comentou Figueiredo Filho. Antes da operação, porém, o governo deverá ingressar na justiça com liminar de reintegração de posse.Sírio Ferraz nega que seja grileiro e se diz "dono" de mais de 30 mil hectares somente na região conhecida por Serra Azul. Seus familiares, amigos, fazendeiros e madeireiros do Paraná e Mato Grosso seriam proprietários de outros 300 mil hectares em Monte Alegre.

Agencia Estado,

01 de março de 2006 | 17h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.