Acusados de chacina em Unaí devem ter 1ª sentença hoje

Recomeçou na manhã desta sexta-feira, 30, o julgamento de três acusados dos assassinatos de quatro servidores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Depois de mais de nove anos, há expectativa de que as primeiras sentenças relativas ao crime, ocorrido em janeiro de 2004 e conhecido como Chacina de Unaí, sejam conhecidas ainda na noite de hoje ou no início da madrugada de sábado, 31.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

30 de agosto de 2013 | 12h26

Na sessão de hoje, aberta pouco após as 9h pela juíza Raquel Vasconcelos Alves de Lima, substituta da 9ª Vara Federal em Belo Horizonte, vão ocorrer os debates orais entre a acusação e os defensores de Erinaldo de Vasconcelos Silva, Rogério Alan Rocha Rios e William Gomes de Miranda. Eles são apontados como executores dos auditores fiscais Nelson José da Silva, Eratóstenes de Almeida Gonçalves e João Batista Soares Lage e do motorista Ailton Pereira de Oliveira, mortos em 28 de janeiro de 20004 em Unaí, no noroeste de Minas, durante fiscalização de trabalho escravo.

Os debates foram iniciados pelo procurador da República Vladimir Aras, que afirmou haver no processo provas "claras como a luz do dia" de que os três participaram do crime. "Inclusive os dois que negaram", disse, em relação a Rogério Alan e William. Erinaldo confessou sua participação na chacina em depoimento na noite de quinta-feira (29).

Aras salientou também que o julgamento é contra a "humilhação" o "descaso com os semelhantes" e comparou os acusados aos "três mosqueteiros, mas não a serviço de um rei bom". E lembrou o histórico discurso de Martin Luther King, que acaba de completar 50 anos. "I have a dream. Era o sonho de que um dia as filhas dele, negras, pudessem andar de mãos dadas com outras crianças brancas. Essa escravidão, essa divisão ainda é presente exatamente aqui", disparou.

Lembrou também um e-mail enviado pelo advogado Sério Moutinho, defensor de Rogério Alan, a um deputado federal, no qual o advogado denuncia que "irmãos mais humildes estão presos há nove anos e os mandantes soltos" e que há "toda sorte de privilégios aos ricos" e "todo o rigor da lei ao réu pobre". "Quem paga é quem controla. Quem recebe é mandado, mas isso não os isenta de culpa", ressaltou o procurador.

A acusação terá duas horas e meia para fazer sua exposição oral, mesmo tempo destinado à defesa na sequência. Os debates inda podem incluir mais duas horas para cada parte como réplica e tréplica antes de os sete jurados decidirem se os réus são ou não culpados dos assassinatos.

Além do trio, são acusados do crime o fazendeiro Norberto Mânica, um dos maiores produtores rurais do País, Hugo Alves Pimenta, José Alberto de Castro, e um irmão de Norberto, o também fazendeiro e ex-prefeito de Unaí Antério Mânica. Os três primeiros serão julgados a partir de 17 de setembro e o júri de Antério ainda não tem data definida para ocorrer.

Tudo o que sabemos sobre:
Chacina de Unaíjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.