Acusado em espionagem, assessor de Renan é demitido

Francisco Escórcio visitou o presidente licenciado nesta terça-feira e diz que 'estranhou' a decisão de saída

CELSO JÚNIOR, Agencia Estado

16 Outubro 2007 | 15h42

O ex-assessor da Presidência do Senado, Francisco Escórcio, esteve na tarde desta terça-feira, 16, pela segunda vez na casa do presidente licenciado da Instituição, senador Renan Calheiros (PMDB), e disse que estranhou ter sido demitido do cargo apesar da declaração de Renan de que seria apenas licenciado por um período determinado. Escórcio foi afastado depois de ter sido acusado de espionar senadores em Goiânia (GO), supostamente a mando de Renan.   Veja também: Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan      Sobre a denúncia de espionagem, declarou: "Essa história toda foi uma armação que fizeram contra mim e contra Renan", disse.     Escórcio prometeu esclarecer as denúncias. "Vou provar, no Conselho, o motivo que me levou a Goiânia. Ninguém me ouviu, não me perguntaram nada. E não fui bisbilhotar a vida de ninguém. Fui a Goiânia por dois motivos: uma reunião com um advogado particular e um processo de coligação política no Maranhão."   O ex-assessor disse que fez as visitas a Renan para lhe agradecer pelo tratamento recebido enquanto trabalhou com ele. Escórcio voltou a afirmar que o senador alagoano "está bem e não está abatido".     O assessor de Renan disse ao estadão.com.br que conversou nesta manhã  com o senador e que ele aparentava estar tranqüilo. " Só agora ele está conseguindo pensar na sua defesa, ele tem todas as contraprovas sobre os processos em que está sendo acusado", disse o assessor.     Sobre uma eventual renúncia do presidente licenciado, o assessor descartou a possibilidade. "Em absoluto ele vai renunciar. Nem ao mandato nem a presidência".Nesta terça, Renan deixou a residência oficial do Senado e passou para um apartamento funcional.   (Colaborou Andréia Sadi, do estadao.com.br)   Texto atualizado às 18 horas

Mais conteúdo sobre:
Caso Renan Francisco Escórcio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.