Acusado de vender Viagra falso presta depoimento

Suspeito de vender pela internet um falso genérico do Viagra, o despachante Mauro da Silva, de 33 anos, prestou depoimento à Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Saúde Pública. Segundo a Associação Brasileira de Combate à Falsificação (ABCF), o Pramil 50 mg, medicamento importado do Paraguai, é falso. De acordo com a entidade, não há genérico do Viagra. O falso Pramil pode provocar problemas cardíacos.O advogado da ABCF, Fábio Kielberman, estima que 60 pessoas tenham comprado o remédio oferecido por Silva, que o anuncia em um site na internet (www.pramill.kit.net). Kielberman explicou que o verdadeiro Pramil, registrado no Ministério da Saúde, é usado contra enjôos e produzido no Brasil, ao contrário do remédio vendido por Silva, que seria produzido pelo laboratório NovoPhar - División de La Química Farmacêutica, no Paraguai.Segundo a polícia, o despachante negou a acusação. Ele disse que vende apenas canetas, perfumes, camisas e tênis, por meio da internet, para complementar renda. O delegado Renato Nunes disse que Silva anunciava o produto e pedia que o cliente depositasse o dinheiro na conta dele, depois de feito um primeiro contato por e-mail. "Ninguém pode comprar medicamento sem receita. Além disso, o crime já está configurado quando ele vende um remédio no Brasil sem autorização e sem registro na Anvisa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.