Acusado de matar vereador no RJ se entrega

Um homem acusado de matar o vereador de Mangaratiba (RJ) em 2009 se entregou hoje ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). A unidade fica em Paracambi, na Baixada Fluminense. Célio Lopes foi assassinado na madrugada de 2 de junho de 2009. Valdiclei e outros três homens, que já estão presos, foram denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) por homicídio qualificado. O crime teria sido praticado porque o vereador ameaçou de demissão o Guarda Municipal André Rodrigues, apontado como mandante do crime.

EQUIPE AE, Agência Estado

12 de janeiro de 2012 | 19h45

De acordo com o Promotor de Justiça do Gaeco, Bruno Corrêa Gangoni, a advogada de Valdiclei esteve no seu gabinete ontem informando que seu cliente se entregaria hoje. Valdiclei disse ter fugido para Minas Gerais logo após o crime. Ele afirmou que não queria passar a vida fugindo da polícia e queria "pagar pelo que tinha feito" para depois poder ficar mais próximo da família. O preso foi encaminhado para a 51ª DP (Paracambi), de onde seguirá para a Polinter.

De acordo com a denúncia, oferecida à Justiça pelo Gaeco em janeiro de 2010, Valdiclei teria sido contratado por André Rodrigues; pelo então superintendente de Gabinete da Prefeitura de Mangaratiba e seu ex-chefe, Jorge Duarte; e por Manoel da Silva para executar o vereador por R$ 4 mil. Na época da prisão dos envolvidos, o Guarda Municipal também confessou o crime e o pagamento. A pena prevista para o crime de homicídio qualificado pode variar de 12 a 30 anos de prisão.

Mais conteúdo sobre:
mortevereadorRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.